Desvio na Coluna Aposenta? Como funciona a perícia?

Uma dúvida muito frequente é se desvio na coluna aposenta, mas a resposta vai depender da gravidade do desvio.

Alguns tipos de desvio podem causar uma incapacidade permanente, o que pode impossibilitar de exercer qualquer atividade profissional, o que dá direito à aposentadoria.

Enquanto outros desvios são passíveis de reabilitação, e então, não é concedida a aposentadoria.

Vale sempre lembrar a importância de consultar um ortopedista especialista em coluna, a fim de definir o correto diagnóstico e o tratamento mais eficaz.

Se você tem um desvio na coluna, confira quais os casos em que existe a possibilidade de se aposentar.

Desvio na Coluna Aposenta?

Na maioria das vezes, quando o desvio na coluna é pequeno, não aposenta.

Por outro lado, o desvio na coluna aposenta quando é mais sério, como é o caso de escolisoes, muitas vezes sendo até necessário uma cirurgia.

Ou seja, quando o desvio é muito grande, isso pode causar muitas dores na coluna, onde a pessoa fica totalmente incapacitada de exercer qualquer atividade laboral.

No entanto, às vezes, é necessário que o segurado passe por um período de incapacidade temporária, tendo direito ao auxílio-doença.

Passado esse período, deve ser submetido a uma perícia médica, e se for constatado que o quadro é irreversível, pode se aposentar por invalidez.

Segundo o INSS, a aposentadoria por invalidez é concedida ao trabalhador que seja incapaz de trabalhar e não pode ser reabilitado em outra função.

Qual o desvio na coluna aposenta?

Como existem vários tipos de desvio na coluna, outra dúvida muito frequente é qual o desvio na coluna aposenta.

A escoliose, dependendo da gravidade, pode dar direito à aposentadoria, no caso de impossibilitar que a pessoa exerça as suas funções.

Apenas lembrando que a escoliose é caracterizada por um curvamento lateral significativo, podendo inclusive provocar deformidades no tórax, pelve e vértebras.

Para receber o benefício, é necessário passar por uma perícia médica para comprovar a incapacidade permanente, e atender a alguns requisitos, como:

  • Ter contribuído por pelo menos 12 meses ao INSS;

  • A profissão e a função;

  • Exames;

  • Idade;

  • Grau de escolaridade.

A perícia médica engloba uma série de fatores, como os sintomas, a função desempenhada, qualidade do ambiente de trabalho, entre outros.

Conclusão

Se você tem uma escoliose severa e quer solicitar a aposentadoria, reúna o máximo de documentos para levar no dia da perícia, como laudos, exames, relatórios médicos, enfim, tudo o que tiver relacionado à doença.

Deixar uma resposta